Dirty Girl

Estações frias combinam com: edredom, chocolate quente, buffet de sopas, banho quente, bons livros de mistério (lidos embaixo do cobertor) e maratonas de filmes em casa. Pensando nesse último item, vou dar algumas dicas de filmes por aqui. Aqueles que já estrearam há algum tempo e que eu acho que vale a pena recomendar.

Começando com Dirty Girl, que foi uma daquelas surpresas boas que de vez em quando a gente tem na vida. Eu não dava nada por esse filme, nem pela capa, nem pela sinopse. Fui assistir esperando um filme bobinho e acabei totalmente encantada por ele. Eu amei o clima da história. Adorei a personalidade da Danielle e a amizade que ela constrói com o Clarke. É o tipo de filme que eu gosto de ter por perto, pra rever sempre que der vontade!

Sinopse: Em 1987, Danielle é uma adolescente rebelde que, por causa do seu comportamento, vai parar em uma turma de recuperação. Já Clarke tem quase certeza que é gay, para terror de seu pai, que pretende enviá-lo para uma escola militar. Unidos pelas circunstâncias, e por um trabalho escolar, os dois partem em uma road trip. Destino: Califórnia, lugar em que Danielle espera encontrar seu pai. Nobody likes a dirty girl?

5 motivos para amar esse filme:

♥ Ah, os anos 80!

♥ A cena em que a Danielle canta Don’t cry out loud me fez chorar muito. Vai ter quem diga que é clichê, mas eu adorei!

♥ O saco de farinha e suas alterações de humor.

♥ Juno Temple.

♥ Jeremy Dozier.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s